ARMÊNIA-BRASIL

Home

Minha História

Alfabeto

Cultura

Contos Épicos

David de Sassun

Dicionário
Armênio-Português

Dicionário
Português-Armênio

Genocídio

História

Khent

Links

Mapa

Publicações

CAPÍTULO XXVI

Na casa do velho Khatchô estavam todos muito preocupados com Salman, pois até tarde da noite não retornara. Principalmente Vartan, Hairabed e Abô, estavam muito apreensivos achando ter algo de ruim lhe acontecido. Começando a clarear, os três saíram à procura do companheiro.

Ao meio-dia, sem avisar, apareceu Thomás Efendi. A sua chegada repentina, sozinho e sem guarda costas, pareceu muito estranho aos olhos do velho Khatchô. Nunca tinha acontecido algo semelhante. Com ar misterioso, aproximou-se do ancião, pegou-lhe a mão e puxou-o de lado, como se fosse lhe contar grande segredo e disse meio sério, meio irônico:

_ “Sabe, aquele tocador de düdük foi preso, algemado e levado até o quartel”.

Logo o velho Khatchô percebeu de quem estava falando. Começou a tremer e faltou pouco para desmaiar.

_ “Fica firme, não é momento de entrar em pânico” aconselhou o Efendi, “Tenho ainda muita coisa para lhe dizer”.

Com efeito, soubera que na véspera, Salman fora a uma aldeia vizinha onde reunira vários camponeses e tentara lhes explicar o significado dos “Direitos Humanos”. Falara de tirania, despotismo e da maneira como agir para se livrarem disso tudo e ter assim condição de vida melhor. Em suma, dissera besteira atrás de outra. De repente, surgiram vários guardas da polícia militar e o algemaram. O Governo, há muito, estava à procura desse idiota e vários de seus companheiros já estavam presos. Agora esse também caíra na ratoeira. Tomás Efendi deu todos os detalhes, mas deixou de mencionar ser ele o delator.

Voltou-se novamente para o velho :

_” Agora temos um problema mais sério”, disse ele com um sorriso triste que fez estremecer o coração do velho Khatchô. “logo logo, os guardas estarão aqui para fazer uma busca. Por isso vim correndo para preveni-lo meu amigo”.

Dizendo isso, fez questão de enfatizar o “meu amigo”. Ao ouvir as palavras “guardas e busca”, o velho Khatchô ficou petrificado.

_ “Mas ainda há tempo para eu poder salvá-lo”, disse Tomás Efendi agora mais sério. “É só me dizer se ele deixou aqui algo que possa lhe incriminar”.

O velho Khatchô sentiu imenso alívio ao saber que seu “amigo” estava disposto a ajudá-lo num momento tão difícil.

_ “Sobrou somente uma mochila”, disse ele olhando em sua volta temendo ser ouvido por outra pessoa.

 “É o momento de tirar o burro da lama”, pensou Tomás Efendi “Sobrou uma mochila, já é alguma coisa”.

_ “Não vamos perder um minuto, vamos esconder a mochila antes de os guardas aparecerem. Cada segundo é precioso”.

O ancião absolutamente convencido da sinceridade de seu “amigo” levou-o até o “odá” e mostrou-lhe a mochila jogada num canto.

_ “Tranca a porta”, recomendou o Efendi, e começou a revistar o interior da mochila. Havia várias cartas de recomendação com os respectivos endereços, letras de câmbio ao portador, instruções, mapas, etc...e também uns livretos de propaganda para serem distribuídos. Tomás Efendi examinava tudo atentamente sacudindo a cabeça de tempo em tempo.

_ “Se um só desses papeis cair na mão de um agente do governo, você e seus filhos serão enforcados e todos os seus bens confiscados”.

O velho Khatchô gelou e não conseguiu articular uma só palavra.

_ “É preciso queimar tudo isso”, disse o Efendi enfiando novamente os papeis na mochila.

_ “Não estou entendendo. Estou tonto com tudo isso”, respondeu o ancião com voz tremula.

De repente, Tomás Efendi mudou de idéia “Porque queimar?” matutou ele “É melhor estudar toda essa papelada a fundo; poderá servir mais tarde”.

E perguntou ao velho camponês:

¾“Existe nesta casa esconderijo onde possamos guardar esta mochila?”

¾ Sim, existe.

De fato, existiam vários. Neles se guardavam tudo que havia de precioso, pois neste país o perigo era permanente. De todos, um só estava vazio e  para lá o velho Khatchô levou seu “amigo”. Situava-se no porão da casa. Estava repleto de latas de azeite, de banha e de pipas de vinho. O chão estava revestido de lajes. O velho levantou duas delas deixando aparecer um alçapão constituído de duas grades de ferro trancadas por cadeado. O ancião tirou uma chave do bolso e abrindo o cadeado levantou as duas tampas deixando entrever uma pequena escada levando a uma espécie de masmorra. Os dois desceram cuidadosamente, pois reinava absoluta escuridão. Colocaram a mochila num canto e logo subiram. O velho Khatchô fechou as duas grades de ferro, trancou-as com o cadeado, pôs a chave no bolso e recolocou as lajes em cima delas. Ninguém poderia supor haver ali um esconderijo.

¾”Me dê a chave” disse Tomás Efendi, “estará mais seguro comigo. Você sabe que, se há pessoa em quem você pode confiar, sou eu.”

O ancião entregou a chave sem pestanejar. Estava tão apavorado que atenderia a qualquer pedido do Efendi.

¾ “Tenho ainda muita coisa para lhe dizer meu velho Khatchô, mas não temos muito tempo, os guardas podem chegar de um momento para outro”, disse Tomás Efendi apressando-se. “Assim mesmo vou te dar alguns conselhos. Preste bem atenção. Ninguém pode saber que estive aqui, nem mesmo teus filhos. Quando os guardas chegarem, não demonstre estar com medo. Pelo contrário fique calmo e banque o ingênuo. Deixe-os procurarem a vontade. O objeto perigoso está muito bem guardado, nem o Diabo o acharia. Se eles perguntarem daquele “tocador de flauta”, diga que veio pousar aqui, e praticamente não conversou com ele e nem sabia o motivo dele vir para esta região”.

Ao terminar seus conselhos, arrematou:

─ "Agora, me mostre outra saída. Não quero sair pela porta da frente. Não quero ser visto por ninguém".

O velho Khatchô levou-o aos fundos da casa, passou pelo estábulo e mostrou-lhe o portão para o vai e vem do gado.

─ "Até logo, então. Voltarei mais tarde, assim que os guardas forem embora. De qualquer jeito, vou falar com eles e advogar sua causa, não tenha medo."

Tomás Efendi se afastou, repetindo de si para si:"agora você vai comer na minha mão, mestre Khatchô, vou conseguir tudo que quero".

Era uma hora da tarde. Vartan, Hairabed e Abô ainda não tinham voltado. Seus outros filhos estavam na roça, as mulheres ocupadas na cozinha. Era preciso mandar-lhes o almoço. Os camponeses, em geral, costumavam almoçar no campo e voltavam somente à tardinha para jantar. Ninguém, pois, sabia do acontecido.

O velho Khatchô esperava impaciente a vinda dos guardas, assim como o condenado a morte espera a hora fatídica sabendo não haver escapatória. Não queria também contar para ninguém o sucedido para não assustá-los.

Por fim apareceu um sargento acompanhado por vários guardas e soldados.

Os moradores da casa não sabendo de que se tratava não ficaram, a princípio, amedrontados. Estavam acostumados a receber esse tipo de hóspedes que vinham, comiam, bebiam à vontade, pernoitavam por algunas dias e depois iam embora. A pousada dos soldados turcos era a casa dos camponeses armênios e principalmente a do velho Khatchô.

─"Tenho ordens para revistar a casa", disse o sargento dirigindo-se ao dono da casa.

─ "Minha casa está à vossa  disposição", respondeu o velho Khatchô tentando abafar as batidas do seu coração.

O sargento mandou fechar todas as portas e em frente a cada uma delas colocou sentinela. A revista começou pelo "odá" e continuou por todas as outras dependências. Examinavam minuciosamente, todos os objetos e seu conteúdo, nada deixando de lado. As mulheres, percebendo algo de anormal acontecendo, começaram a chorar e a se lamentar em voz alta. O velho Khatchô ordenou-lhes calar, explicando não haver nada a temer.

─ "Aqui pousou um cidadão chamado Mikael Düdükjian, não é verdade?"

─ "Ficou aqui por alguns dias, é verdade."

─ "O Sr. já o conhecia?"

─ "Foi a primeira vez que o vi."

─ "Então por que o acolheu?"

─ "Sou o prefeito desta cidadezinha, e vocês conhecem o nosso costume. A casa do prefeito é uma espécie de pousada, onde qualquer forasteiro, qualquer viajante, pode hospedar-se por alguns dias. Como conhecer todos aqueles que vão e vêm a minha casa?"

─ "Ele não deixou nada aqui?"

─ "Não, nada."

─ "O Sr. não percebeu quais eram suas intenções?"

─ "Não nos disse nada. Só sei ser professor."

─ "O Sr. pode me dizer com quem ele se encontrou ou conversou?"

─ "O professor falava com todo mundo, angariava alunos."

─ "O Sr. sabe onde está agora?"

─ "Não sei, não."

─ "Está preso!"

─ "Bom! Se é mau elemento, foi bem feito!"

Naquele instante bateram na porta.

─ "Ninguém pode entrar!" gritou o sargento.

Apareceu um criado dizendo:

─" É Tomás Efendi".

─ "Ele pode", respondeu o sargento.

Tomás Efendi adentrou a casa e parou, fingindo-se espantado ao ver um sargento acompanhado de soldados, como se não estivesse a par de nada.

─ "Muito bom dia! o que está acontecendo por aqui?"

O sargento explicou-lhe o fato em poucas palavras.

Um sorriso hipócrita brotou nos lábios de Efendi. Pegou no braço do militar e disse:

─ "Corto minha cabeça se vocês acharem alguma coisa aqui. Vocês não sabem o quanto este homem é bom e gentil."

Levou o sargento para o "odá" enquanto os guardas e soldados se mantinham nos seus postos.

─"Sr Khatcho", disse ele voltando-se para o ancião, "essa gente deve estar com fome. Mande preparar um belo almoço, e com bastante arak, por favor. Entendeu?"

A última palavra foi proferida em armênio.

O velho Khatchô, radiante, saiu do "odá", pensando o perigo ter passado.

Mas o perigo não tinha passado. Os Turcos não iam deixar passar esta oportunidade. Queriam judiá-lo, atormentá-lo, torturá-lo. Gostariam de deixá-lo mofar durante meses na cadeia. O fato de nada ter achado que pudesse comprometê-lo, de não ter nenhuma prova contra ele, não era o bastante para inocentá-lo. Bastava ser Armênio e rico. Não deixariam passar facilmente uma presa tão importante assim.

Tomás Efendi tinha delatado Salman ao chefe do Exército recém chegado na região, e sugerira a revista na fazenda do velho Khatchô, para assim poder passar por “grande amigo" aos olhos do ancião. Agora para completar sua trama estava urdindo mais um plano.

Quando o fazendeiro deixou o recinto onde estavam para mandar preparar a refeição dos soldados, o sargento virou-se para Tomás Efendi e disse:

─ “Efendi! Qual é sua opinião. Para mim, parece ele estar inocente”.

─ “Veja bem, chefe. Não sou daqueles que dão um veredicto na hora”, respondeu Tomás Efendi, “para mim há ainda alguns pontos obscuros. Pensava descobrir aqui algum objeto ou qualquer outra coisa para provar a ligação entre o preso e os moradores desta casa. Assim mesmo não acredito não haver vínculo entre eles. Nós, Armênios, damos ênfase a uma palavra; é a palavra“confissão”. E eu sei como fazer confessar. Sinceramente, desconfio de dois dos filhos do fazendeiro e de um amigo deles: um estrangeiro que se hospeda aqui”.

─”Que tipo de estrangeiro?” perguntou o sargento.

─ “É um Russo. Jovem, muito perigoso e odeia nosso governo. Perambula por aqui dizendo-se viajante, mas na prática é contrabandista. Na verdade é espião russo.”

─ “Se for cidadão russo, vai ser difícil prendê-lo”, ponderou o sargento.

─ “Quando seu país está em guerra, é normal prender um espião. E o Sr. sabe que logo logo a guerra vai ser declarada.”

─ “Claro que eu sei”.

─O que ele me disse foi procurar cumprir suas ordens.

─”Muito bem!” disse Tomás Efendi, abrindo um largo sorriso. Pode deixar que organizarei tudo.Tenho algo mais para lhe dizer, mas o comunicarei mais tarde.

─ “Fale agora! não gosto de esperar pelo “mais tarde”.

Apesar de não ter ninguém no odá além dos dois para ouvir o que quer que seja, Tomás Efendi sussurrou-lhe no ouvido :

─ “O velho é muito rico. É preciso sugá-lo ao máximo”.

 Tomás Efendi conhecia muito bem o ponto fraco dos funcionários turcos. Sabia ser para eles, a revista da casa, por mais minuciosa que fosse, algo secundário. O que contava era como arrancar dinheiro desse fazendeiro. Tomás Efendi aproveitando-se deste ponto fraco, queria chegar onde pretendia. Por isso ficou radiante quando o sargento perguntou:

¾”Então, como proceder?”

─”Sargento! o Sr. tem muitos homens aqui sob sua ordens. Coloque o velho Khatchô e dois de seus filhos, Hairabed e Abo, sob estrita vigilância e mande prender o forasteiro russo cujo nome é Vartan.”

O sargento anotou os nomes de Hairabed, Abô e Vartan.

─”Sei que hoje, as suas ordens eram para revistar a casa, mas a revista não terminou. O Sr. deverá vigiar estas pessoas de quem eu falei e revistaremos com mais afinco toda a fazenda na presença do Paxá, comandante supremo desta região”.

─”Entendo”, anuiu o sargento.

─Vou fingir ser mediador, advogando a causa deles, para melhor descobrir seus segredos. O Sr. entendeu?”

        ─”Entendi”, repetiu o sargento.